CUIABÁ

Agro

CNA debate resultados e expectativas com a COP-26

Publicado em

Agro


Brasília (1º/12/2021) – A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) promoveu a live “COP-26: resultados e expectativas”, na quarta (01).

O encontro foi moderado pelo coordenador de Sustentabilidade da CNA, Nelson Ananias, e contou com a participação do presidente da Comissão Nacional do Meio Ambiente e chefe da delegação da CNA na COP-26, Muni Lourenço; do presidente da Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da CNA, Ricardo Arioli; e do sócio-diretor da Agroicone, Rodrigo Lima.

Na opinião de Muni, a participação do Sistema CNA/Senar na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-26) serviu como uma “grande vitrine” para mostrar o esforço que a agropecuária brasileira vem fazendo para conciliar a produção de alimentos com a sustentabilidade ambiental.

Entre os principais avanços, ele citou a definição do Fundo de Adaptação previsto no artigo 6.4 (mercado voluntário de carbono) do Acordo de Paris, a declaração de proteção às florestas e o compromisso global do metano, que prevê a redução de 30% até 2030, além da sinalização da redução do uso de combustíveis fósseis que contribuem para o aquecimento global.

Leia Também:  FAESP pede ao governo mais esforço diplomático para retomar venda de carne à China

“A COP-26 teve um saldo positivo e avanços importantes, mas saímos frustrados com a questão de financiamentos para projetos de enfrentamento das mudanças climáticas. Internamente também temos alguns deveres de casa, como o aprimoramento de políticas públicas, o combate ao desmatamento ilegal e a regularização fundiária”, disse o presidente da Comissão Nacional do Meio Ambiente da CNA.

Nelson Ananias destacou a relevância do setor estar presente nas discussões e negociações relacionadas às metas do Acordo de Paris. Segundo ele, o agro brasileiro conseguiu se colocar como parte da solução para a redução das emissões de gases de efeito estufa e diminuição da temperatura média da Terra até 2100.

“O Brasil vem investindo fortemente em uma produção cada vez mais sustentável. Levamos a agricultura brasileira para o mundo e mostramos um setor que não está prometendo, mas que já faz e fará muito mais nos próximos anos”, disse.

O presidente da Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da CNA ressaltou o protagonismo brasileiro nessa edição da COP e falou sobre práticas sustentáveis aplicadas no País, como os sistemas integrados de produção.

Leia Também:  Curso de Liderança Rural promove oportunidades para mulheres

Ricardo Arioli também reforçou a necessidade de um esforço concentrado para combater o desmatamento ilegal no Brasil, o que ele considera o “calcanhar de Aquiles” do setor perante o mercado internacional.

Na visão do sócio-diretor da Agroicone, a inovação é a principal ferramenta para o desenvolvimento da atividade produtiva e o enfrentamento dos desafios climáticos. Rodrigo Lima ressaltou as oportunidades proporcionadas pelo Plano ABC+ e cobrou recursos para a definição de uma agenda de implementação efetiva do Código Florestal Brasileiro.

Para saber mais sobre a participação da CNA na COP-26, acesse a página especial aqui

Assessoria de Comunicação CNA
Foto: Wenderson Araujo
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil
youtube.com/agrofortebrasilforte

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Agro

Primeiro curso de Classificação de Grãos é realizado pelo Senar em Marianópolis

Publicados

em

Por


O Senar concluiu o primeiro curso de “Trabalhador em Classificação de Grãos – Soja e Milho”, iniciando a série de capacitações e treinamentos que serão realizados pela entidade ao longo no ano no Tocantins. No município de Marianópolis a turma contou com 15 alunos que já estão aptos para atuar no setor. “É um mercado em franca expansão que está gerando muitas oportunidades”, destacou o presidente do Sindicato Rural, Darci Dário.

A região do Vale do Araguaia é considerada a nova fronteira da produção agrícola do Tocantins. Muitas propriedades rurais da região foram adquiridas para o cultivo de grãos ou simplesmente trocaram as tradicionais áreas de pastagem por lavouras de soja e milho. Por conta disso, o investimento em armazenamento de grãos é cada vez maior. Empresas, como a Armazém Fortes onde foram realizadas atividades práticas do curso, estão em pleno funcionamento, mas também há muitas plantas em construção.

O aluno Moises Gomes mora no Tocantins há três anos e desde sua chegada começou a trabalhar com classificação de grãos em uma fazenda da região, mas a atividade foi aprendida no dia a dia. “Eu sentia a necessidade de fazer um curso para me capacitar e já fazia um tempo que estava atrás. Consegui identificar alguns erros que vão me ajudar no trabalho, como por exemplo, na hora de tirar as impurezas, porque usando a mão em vez da pinça pode interferir na umidade do produto”, afirmou.

Leia Também:  Curso de Liderança Rural promove oportunidades para mulheres

Quem também aposta neste segmento para iniciar 2022 com novos desafios é o aluno Márcio Santos, para ele é uma área importante na empresa, inclusive para evitar prejuízos. “Nosso trabalho vai ajudar o produtor a identificar quanto vai ganhar ou perder com as cargas e até mesmo se vale a pena armazenar naquelas condições”, pontuou. No curso, os alunos estudaram as técnicas de classificação de grãos (soja e milho), e também tiveram disciplinas que trataram de meio ambiente, aquisição e descarte dos agrotóxicos, saúde no trabalho, segurança e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e outras.

O curso teve duração de uma semana e foi fruto de parceria do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Sindicato Rural e Prefeitura de Marianópolis.

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA