CUIABÁ

Mulher

Faça  como Jade Picon: aposte no óleo de coco para recuperar os fios

Publicado em

Mulher


source
Jade Picon
Reprodução/Instagram

Jade Picon









O óleo de coco há algum tempo se tornou um ativo queridinho das brasileiras, que adoram uma receitinha caseira pra cuidar dos fios . Hidratante potente, ele pode ser encontrado na composição dos cosméticos ou usado puro. Nos últimos dias, esse ingrediente caseiro voltou a dar o que falar nas redes sociais, quando a influenciadora Jade Picon , participante do camarote do BBB 22, pediu à produção do programa um pouco de óleo para hidratar as madeixas, tingidas um pouco antes de entrar no programa.

O óleo de coco pode ser usado na preparação de máscaras caseiras, com o creme de hidratação de sua preferência ou puro, no caso da umectação/nutrição de quem faz o cronograma capilar . O ingrediente costuma ser muito apreciado por quem tem cabelos secos, danificados ou crespos e cacheados .

Conforme explica Jackeline de Souza Alecrim, farmacêutica especializada em Cosmetologia Avançada e Produtos Naturais, o óleo de coco é uma ótima alternativa para fazer a reparação graças a características que favorecem sua rápida absorção pelos fios, proporcionando resultados significativos em um curto espaço de tempo.

Leia Também:  Mulheres que fizeram história na Semana de Arte Moderna de 1922

“O óleo de coco tem a capacidade de atravessar a barreira do fio e alcançar o córtex, repondo importantes nutrientes que vão prolongar a hidratação e favorecer o alinhamento das cutículas. No caso de cabelos danificados, seus efeitos são ainda mais significativos, pois as barreiras capilares estão fragilizadas, o que favorece a penetração dos ativos”.

Leia Também

Segundo a profissional, tratamentos como descoloração, tintura, alisamento e progressiva eliminam o escudo hidratante natural dos cabelos, deixando os fios com maior facilidade de quebra e dando a eles uma aparência mais seca. “O óleo de coco é um grande aliado para essas situações, pois cria uma capa protetora que protege enquanto hidrata e restaura os fios”, diz.

Confira a seguir algumas dicas de como o produto pode ser usado.

Pré poo com óleo de coco

Pré-pool ou pré-shampoo é uma técnica feita antes da lavagem dos fios. Serve tanto para hidratar e repor nutrientes quanto para ajudar a proteger as pontas da água quente e da ação detergente dos shampoos.

  • Ingredientes
  • Óleo de coco
  • Soro fisiológico
  • Creme de hidratação

Misture todos os ingredientes em um recipiente. Aplique no cabelo da raiz até as pontas. Deixe agir por 30 minutos. Lave seu cabelo com o shampoo de sua preferência.

Pré-sol com óleo de coco

Aplicar pequenas quantidades nos fios. O principal benefício é a blindagem dos fios, protegendo do calor, do suor e de outros agentes que possam danificar o cabelo.

Leia Também:  Teimancia: conheça a leitura do futuro pelas folhas de chá

Ingredientes

  • Óleo de coco extravirgem

Separe o cabelo (seco) em mechas pequenas ou médias e vá distribuindo o óleo da raiz até as pontas. Comece com poucas quantidades.

Finalização com óleo de coco

Finalização de cabelos cacheados e crespos: utilize algumas gotas do óleo de coco misturado ao seu creme de preferência. O processo blinda o fio, diminui o frizz e deixa o cabelo mais hidratado, brilhoso e com os cachos mais definidos

Ingredientes

  • Creme de pentear de sua preferência
  • Óleo de coco

Misture o óleo de coco com o creme. Aplique em todo o cabelo. Se quiser um cabelo mais volumoso utilize também o pente garfo para dar volume na raiz.

Umectação com óleo de coco

A umectação com óleo de coco tem como objetivo nutrir os fios e, acima de tudo, repor a oleosidade necessária e recuperar madeixas. O procedimento pode ser feito em todos os tipos de cabelo, principalmente os cacheados, crespos, crespíssimos e em transição.

Ingredientes

  • Óleo de coco extravirgem

Com o cabelo seco, separe mechas pequenas ou médias e vá distribuindo o óleo da raiz até as pontas. Amarre o cabelo e utilize uma touca. Deixe agir por no mínimo 4 horas ou noite toda. Lave e enxágue como de costume. 

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Mulher

Frentista é assediada e revida: “Quero que mulheres se defendam”

Publicados

em

Por

source
A frentista diz que a intenção não era viralizar, e sim incentivar mulheres a se defenderem e formalizarem denúncias
Reprodução

A frentista diz que a intenção não era viralizar, e sim incentivar mulheres a se defenderem e formalizarem denúncias

Uma frentista de um posto de combustível foi assediada por um homem durante um intervalo no seu trabalho, em Porto Alegre. Um vídeo mostra Marian Fontoura sentada, quando o suspeito chega por trás e passa a mão na jovem de 22 anos, enquanto ela estava de costas, que levanta e começa a dar tapas no homem, até o assediador fugir assustado.

Ela conta que o homem frequenta diariamente o posto há quase três anos, período no qual ela trabalha no estabelecimento. Segunda Marian, ele compra alguns doces e distribui a algumas pessoas que trabalham ou estão no local, mas sempre oferecia a ela primeiro. Em outras ocasiões, ele já havia perguntado a outros funcionários do posto quando que a jovem folgaria.

— Não quis viralizar, apenas quero que as mulheres se defendam e denunciem esse tipo de crime. Ele sempre frequentou o local. Comprava coisas, ia atrás de mim, pedia meu Facebook. Mas eu não dava bola. Até que ele veio me oferecer algo e eu não aceitei. Depois, ele voltou, chegou por trás de mim e passou a mão — lembra.

O caso ocorreu no último domingo, mas ela só foi convencida a fazer a denúncia na terça-feira, após receber uma série de comentários nas publicações em que relatava o caso. Entre várias mensagens de apoio, ela conta que também recebeu comentários que condenavam a agressão por conta da suspeita de se tratar de alguém com problemas psiquiátricos.

Leia Também:  Horóscopo do dia: previsões para 23 de abril de 2022

— Estão alegando que ele tem problema psicológico. Eu acho que não justifica. Se ele tem problema psicológico, eu acho que ele tem que procurar tratamento, estar internado. Tem que ter um tutor que seja responsável por ele. Eu não acho certa a atitude que eu tive, de agredir. Mas é uma maneira de me defender — desabafa.

Ela também conta que, após a publicação, algumas mulheres entraram em contato revelando já terem sido vítimas de abuso em situações similares, e que a publicação serviu como incentivo para que denúncias de assédio sejam feitas cada vez mais.

— Eu acho que a repercussão é importante para que mais garotas sejam incentivadas a denunciar casos de assédio. A região aqui é cercada de escolas, creches, então tem o risco de acontecer contra outras pessoas também. Eu só quis alertar as mulheres do meu bairro, para que elas tenham atitude. Todas as mulheres, do mundo inteiro, tenham atitude, denunciem, não fiquem caladas — defendeu.

Em suas redes sociais, Marian fez uma publicação explicando o ocorrido, reiterando que conhece o rapaz, que costumava frequentar o posto, e que agiu por impulsão. Ela ressalta que não domina qualquer tipo de arte marcial, tendo agido por instinto.

“Oi. Eu vim aqui esclarecer uma situação chata que tá acontecendo. Estou recebendo algumas críticas, sobre o rapaz lá. Em nenhum momento eu disse que não conhecia ele. Sim, eu conheço ele. Ele frequenta todos os dias o posto em que eu trabalho. Quase três anos que eu trabalho lá, ele vai lá, compra bala pra mim, depois para os meus colegas. E estão alegando que ele tem problema psicológico. Eu acho que não justifica. Se ele tem problema psicológico, eu acho que ele tem que estar internado. Tem que estar em tratamento, internado. Tem que ter um tutor que seja responsável por ele. Não é porque ele tem problema psicológico que ele tem que ficar andando por aí. E assim como foi comigo, poderia ter sido com uma criança. E aqui no meu bairro tem muitas creches e colégios. Então, assim, como foi comigo, poderia ter sido com uma criança. E não é porque ele tem problema psicológico que ele tem que botar a mão em qualquer pessoa”. Ela continua:

Leia Também:  Dia Nacional da Mamografia, exame fundamental no combate ao câncer

“E em relação às mensagens que eu estou recebendo, as pessoas orgulhosas de mim, me parabenizando pela atitude que eu tive. Muito obrigado. É que eu não consegui responder, muitas mensagens, então eu não consegui responder. E eu não acho certa a atitude que eu tive, de agredir. Eu só quis alertar as mulheres do meu bairro, para que elas tenham atitude. Todas as mulheres, do mundo inteiro, tenham atitude, denunciem, não fique caladas. E essa foi a minha intuição. Em nenhum momento eu quis viralizar em cima do rapaz e nem nada. Foi apenas para alertar. E corrigindo, eu não agredi. Eu apenas me defendi. Eu não tenho hábito de ficar agredindo todo mundo. Eu apenas me defendi de um assédio.”

Agora você pode acompanhar todos os conteúdos do iG Delas pelo nosso canal no Telegram. Clique no link para entrar no grupo . Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA