CUIABÁ

Mulher

Taylor Swift recebe doutorado honorário pela Universidade de Nova York

Publicado em

Mulher

source
O doutorado não exige formação acadêmica. Ele é uma homenagem às pessoas de grande contribuição em suas áreas.
Reprodução

O doutorado não exige formação acadêmica. Ele é uma homenagem às pessoas de grande contribuição em suas áreas.

Taylor Swift recebeu nesta quarta-feira (18) o título de doutora honorária pela Universidade de Nova York, no Yankee Stadium, se tornando Doutora em Belas Artes. Esta é uma homenagem concedida a profissionais que se destacaram de forma excepcional em suas áreas de atuação, mesmo que não estejam cursando um doutorado. 

Agora, a cantora norte-americana faz parte de um seleto grupo ao receber o título, juntamente de Oprah Winfrey, Meryl Streep, Yoko Ono e J.K. Rowling. Além da condecoração, Taylor também compareceu à cerimônia de beca e fez um discurso aos calouros da universidade. 

No discurso de aceitação da honraria, Taylor faa sobre o processo de criação e dá conselhos aos formandos sobre perfeccionismo. Ela afirma não ter uma resposta sobre como lidar com esse processo, mas deixa como conselho saber confiar na própria intuição.

Leia Também:  "Chama na conversa": como puxar papo com cada signo

“Somos guiados por nossos instintos, nossa intuição, desejos, medos, cicatrizes e sonhos. Você vai fazer besteira às vezes, e eu também. Coisas difíceis vão acontecer conosco. Nós vamos nos recuperar, aprender, crescer por conta disso de forma mais resiliente. Enquanto estivermos a sorte de estar respirando, vamos respirar fundo e passar por isso. E agora sou uma doutora, então sei como respirar funciona”, brinca.

“Estou orgulhosa por dividir esse dia com vocês. Estamos fazendo isso juntos e vamos continuar dançando como se fossemos a classe de 22”, finaliza a cantora em referência a “22”, uma de suas músicas mais conhecidas.

Nas redes sociais, o nome da artista ficou em primeiro lugar nos assuntos mais comentados do Twitter no Brasil. A cantora também se manifestou no Instagram, com visual para a cerimônia

 “Vestindo beca e capelo pela primeira vez, te vejo em breve, NYU,” escreveu Swift no post. 

Agora você pode acompanhar todos os conteúdos do iG Delas pelo nosso canal no Telegram. Clique no link para entrar no grupo. Siga também  o perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Mulher

MenstruAÇÃO: Animação busca desmestificar tabus sobre a menstruação

Publicados

em

Por

source
Projeto é realizado em parceria com o Programa USP Diversidade e do Instituto Cultural Barong
Divulgação

Projeto é realizado em parceria com o Programa USP Diversidade e do Instituto Cultural Barong


Estreia nesta terça-feira (28) – em referência ao ciclo menstrual -, a série  animada MenstruAção, projeto em parceria do Programa Diversidade da Universdiade de São Paulo (USP) com o Instituto Cultural Barong. O projeto vai mostrar a rotina de uma personagem que mestrua pela primeira vez.

O intuito da animação será o de debater e desmistificar os tabus sobre o assunto, além da escassez de dados e desinformação sobre a menstruação entre estudantes dos ensinos fundamental e médio.


“A saúde, os direitos menstruais e a resposta à pobreza menstrual, que afetam negativamente parte importante das pessoas que menstruam no país, são temas que impactam o desenvolvimento da sociedade e têm assumido magnitude nacional e internacional”, afirma Ana Paula Morais Fernandes, coordenadora do Programa USP Diversidade e do projeto.

“A pobreza menstrual é um fenômeno complexo, multidimensional e transdisciplinar”, argumenta Ana Paula, que também é docente da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (EERP-USP).

No Brasil, crianças e adolescentes que menstruam têm violados seus direitos à educação de qualidade, moradia digna e saúde, incluindo a sexual e reprodutiva.

Leia Também:  Aline Dahlen: "Muita gente torce o nariz pra mulheres fortes"

Conforme o relatório Pobreza Menstrual no Brasil – Desigualdades e Violações de Direitos , publicado pelo UNICEF e UNFPA, mais de 60% das adolescentes e jovens que menstruam já deixaram de ir à escola por causa da menstruação.

“A menstruação é uma condição perfeitamente natural que deve ser mais seriamente encarada pelo poder público e as políticas de saúde. Quando não permitimos que uma menina possa passar por esse período de forma adequada, estamos violando sua dignidade”, afirma a representante do UNICEF no Brasil, Florence Bauer.

A psicóloga, historiadora e sexóloga Regiane Garcia, diretora institucional do Barong, concorda com Florence.

“Falar de menstruação, de saúde íntima, abordar essas questões com alunos do ensino médio, com adolescentes, com jovens, é empoderar cada vez mais essa mulher para conhecer sua sexualidade e conseguir ter uma atitude mais pró-ativa com relação à sua saúde sexual, à prevenção, ao cuidar-se e até para negociar com o parceiro, com a parceira, em algum momento, métodos para se prevenir, métodos contraceptivos e atitudes frente a vida”, afirma.

“A gente está no século 21 e a sexualidade feminina precisa ser discutida, conversada, estudada, pesquisada, porque as mulheres precisam viver melhor suas vidas, sua sexualidade”, complementa a diretora.

Leia Também:  4 truques para fazer tranças incríveis no cabelo

Homens trans também precisam ser incluídos no debate


Para o coordenador nacional do Instituto Brasileiro de Transmasculinidades (IBRAT), Dan Kaio Lemos, a menstruação traz, muitas vezes “uma carga de estigma muito pesada”.

“A primeira dificuldade de um homem trans está em entender essa questão que é colocada culturalmente como ‘quem menstrua são mulheres’. Isso gera uma disforia muito grande, podendo gerar até mesmo o auto-ódio, repúdio ao próprio corpo, fazendo com que esse corpo sofra não só de dores psicológicas, mas na própria estrutura física, ou seja, esse processo de rejeição a esse corpo impede muitas vezes de acessar a saúde, impede muitas vezes de cuidar desse corpo”, afirma Lemos.

O projeto conta com a participação de dois professores, dois pós-graduandos e cinco alunos de graduação. Estão sendo produzidos vídeos animados utilizando ilustrações e comunicação para criar conexão, humanizar e traduzir para informações simples que possam ser utilizadas no dia a dia, em uma série de episódios que abordam conteúdos sobre o contexto multidimensional da menstruação.

Serviço – Projeto MenstruAÇÃO

Pré-lançamento: dia 28 de junho, às 11h nas mídias sociais do  Instituto Cultural Barong e de parceiros do projeto

Lançamento do primeiro episódio: dia 28 de junho, às 18h nas mídias sociais do Barong e de parceiros do projeto.

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA