CUIABÁ

MUNDO

Brics: após atacar vacina da China, Bolsonaro cita ‘parceria’ com país

Publicado em

MUNDO

source
Presidente da China, Xi Jinping, com Bolsonaro
Alan Santos/PR

Presidente da China, Xi Jinping, com Bolsonaro

Nesta quinta-feira (23), durante reunião virtual da 14ª Cúpula do Brics, o presidente Jair Bolsonaro (PL) celebrou a ‘parceria estratégica’ entre Brasil e China.

Contrariando sua postura nos últimos meses – em que fez críticas contra as vacinas chinesas, chegando a questionar a eficácia e segurança das doses – Bolsonaro rasgou elogios a Pequim e a sua colaboração para o controle e o fim da pandemia. 

Na cúpula realizada em 2021, Bolsonaro também fez declarações contraditórias às que fazia ao seu público brasileiro, quando ele ressaltou o papel chinês para a produção de vacinas contra a Covid-19 no país.

“Saúdo o presidente Xi Jinping e o povo chinês, que tão bem me receberam durante minha visita à China em 2019. Naquela ocasião, pudemos avançar na parceria estratégica entre Brasil e China, com benefícios concretos para os nossos povos, como demonstrado pela nossa cooperação durante a pandemia de Covid-19” , disse Bolsonaro em discurso ao vivo.

Considerado o maior parceiro comercial do Brasil, a China é seguidamente atacada pelo mandatário brasileiro por causa do regime comunista.

Leia Também:  Rússia nega violação de regras internacionais sobre bombas de fósforo

Em 2020, Bolsonaro chegou a dizer a apoiadores, pelas redes sociais, que o governo federal não compraria a Coronavac, vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech, em parceria com o Instituto Butantan, ligado ao governo de João Doria. Apesar disso, o imunizante da fabricante foi o primeiro autorizado para aplicação no Brasil.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

MUNDO

Papa pede que povo ucraniano não seja esquecido

Publicados

em

Por

source
Fiéis carregando bandeiras ucraniana na Praça São Pedro, no Vaticano
Ansa

Fiéis carregando bandeiras ucraniana na Praça São Pedro, no Vaticano

O papa Francisco fez neste domingo (26) um novo apelo para que o mundo não se esqueça do povo da Ucrânia, alvo de uma invasão militar promovida pela Rússia desde o dia 24 de fevereiro.

Após a oração do Angelus, o líder da Igreja Católica afirmou que “os bombardeios na Ucrânia continuam causando mortes, destruição e sofrimento à população”.


“Por favor, não nos esqueçamos deste povo atingido pela guerra, não o esqueçamos no coração e nas nossas orações”, declarou o Pontífice.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de 4 mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

Embora sem jamais criticar a Rússia diretamente, o Papa vem se posicionando claramente a favor da Ucrânia desde o início da guerra e já condenou em diversas ocasiões os massacres promovidos contra a população civil.

Leia Também:  Guerra: situação em Borodyanka é pior do que em Bucha, afirma Zelensky
Fonte: IG Mundo

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA