Ir para o menu principal Ir para o conteudo principal

Midianews

O advogado Anilton Gomes Rodrigues, que foi preso na Operação “Faker Paper”, na manhã desta quarta-feira (9), é apontado como um dos principais integrantes de um esquema responsável por sonegar impostos através de emissão de notas frias em Mato Grosso.

 

De acordo com o delegado Sylvio do Vale, da Delegacia Fazendária,  Anildo era sócio e contador das empresas Rio Rancho Produtos do Agronegócio, Mato Grosso Comércio e Serviços e a B. Da S. Guimarães Eireli, que juntas emitiram R$ 337.337.930,11 em notas frias, gerando um prejuízo "alarmante" aos cofres do Estado.

 

“O Anildo é advogado, contador e sócio de duas empresas das três investigadas. E na terceira empresa, ele era apenas o contador”, disse o delegado.

 

Além do advogado, a operação cumpriu mandado de prisão contra outras oito pessoas. Os nomes dos demais alvos ainda não foram divulgados. A ação cumpriu 15 mandados de busca e apreensão.

 

Conforme o secretário de Estado de Fazenda (Sefaz), Rogério Gallo, o esquema foi descoberto pela gerência da Sefaz que calcula a partilha do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços) aos municípios, conforme as operações tributadas em cada cidade.

 

Este setor é responsável por verificar o comportamento das operações realizadas nos municípios e, assim, estabelecer critérios para a divisão do bolo do ICMS.

 

“Foi verificado que essas três empresas movimentaram volumes financeiros e de produtos que não tinham correlação com as entradas em mercadorias nos seus estabelecimentos. Isso gerou relatório de inteligência, que foi compartilhado com a Defaz”, explicou o secretário.

 

“Um dos produtores rurais acabou vindo à Defaz e confessou que de fato aquela aquisição dele não era uma operação real, era fictícia, enfim. A partir daí desencadeou essa operação”, acrecentou.

 

A operação

 

Desencada nas primeiras horas desta quarta-feira, a ação policial apura uma organização que, através de falsificação de documento público, falsificação de selo ou sinal público e uso de documento falso, promoveu a abertura de empresas de fachada, visando disponibilizar notas fiscais frias para utilização de produtores rurais e empresas nos crimes de sonegação fiscal.

 

Além disso, o esquema possibilitou a prática de crimes não tributários, como a fraude a licitação, ou mesmo 'esquentar' mercadorias furtadas ou roubadas.

 

Os mandados foram cumpridos em sete cidades de Mato Grosso: Cuiabá, Tangará da Serra, Campo Novo dos Parecis, Barra do Bugres, Canarana, Sorriso e Juína.

Fonte: https://www.midianews.com.br/policia/advogado-preso-era-dono-de-duas-empresas-fantasmas-diz-defaz/361351

Comentários


Não há comentários até o momentos