CUIABÁ

Política

Após Twitter, Instagram e Youtube também bloqueiam páginas de Allan dos Santos

Publicado em

Política


source
Blogueiro bolsonarista Allan dos Santos
Alessandro Dantas/ PT no Senado

Blogueiro bolsonarista Allan dos Santos


Após o Twitter tirar os perfis do blogueiro bolsonarista Allan dos Santos e do blog dele, Terça Livre, do ar, o Youtube e o Instagram adotaram a mesma medida nesta terça-feira (12). O ato obedece a uma decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes.

O magistrado é relator do inquérito sobre a existência de milícias digitais que promovem ataques às instituições e à democracia. Santos é um dos investigados. 

Segundo a Folha de S. Paulo, os encontros dele com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) são analisados pela Polícia Federal (PF). Eles estiveram juntos no mês passado durante a viagem da comitiva presidencial à Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), nos Estados Unidos.

Santos mora no país desde que passou a ser investigado por Moraes. Ele também é alvo no inquérito das fake news.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Dilmar Dal Bosco é provável líder do governo Taques na Assembleia; Wilson Santos deve ser vice-líder

Propaganda

Política

Governo federal pretende descredibilizar relatório da CPI: ‘relatório do Lula’

Publicados

em

Por


source
Governo federal pretende descredibilizar relatório da CPI: ‘relatório do Lula’
Edilson Rodrigues/ Agência Senado

Governo federal pretende descredibilizar relatório da CPI: ‘relatório do Lula’

O governo federal já trabalha com a ideia de que o relatório final da CPI da Covid não será ameno e, por isso, já traça sua estratégia para lidar com as consequências negativas que o documento trará. Entre os crimes que devem ser imputados a Jair Bolsonaro e membros do governo está o  homicídio doloso, quando há intenção de matar, por ter demorado a comprar vacinas. As informações foram publicadas, nesta terça-feira (19), pelo ‘Estadão’.

Mesmo com alguns dos integrantes do chamado G7 discordando de trechos do parecer de Renan Calheiros, especialmente na acusação de promover genocídio entre indígenas e contra o senador Flávio Bolsonaro, o governo admite que não há como impedir que um relatório muito duro seja apresentado.

Tendo isso em vista, a ideia, então, é trabalhar politicamente para tentar desqualificar as acusações e carimbá-las como sendo de cunho eleitoral. Segundo definiu um aliado muito próximo de Bolsonaro, a ideia é classificar a CPI e o  relatório final como “relatório do Lula”, citando a ligação política de Renan Calheiros com o petista.

Leia Também:  Partidos temem Bolsonaro mais autoritário após 7 de Setembro

Divergências entre o ‘G7’

O vazamento do relatório da comissão foi considerado por membros do G7,  especialmente o senador Omar Aziz, como uma quebra de compromisso. Segundo os membros, o relatório final deveria receber contribuições dos senadores antes de ser apresentado ao público e à imprensa. Com o vazamento, os senadores acham que Renan quis fazer uma espécie de política do fato consumado, com seu relatório valendo independentemente da opinião de outras visões.

Outro ponto de divergência entre o G7 é a inclusão ou não do crime de genocídio contra o povo indígena. Aziz e outros senadores acham que incluir este ponto seria uma “mão pesada demais”. Além disso, a inclusão do item poderia dar munição para o governo alegar que o relatório é político.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA