CUIABÁ

Política

Próximo do PL, Bolsonaro quer Tarcísio no governo de SP e Salles no Senado

Publicado em

Política


source
Jair Bolsonaro e Tarcísio Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura
Antonio Cruz/Agência Brasil

Jair Bolsonaro e Tarcísio Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura

Com filiação engatilhada no PL de Valdemar da Costa Neto, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pretende fortalecer sua chapa lançando o ministro da Infraestrutura, Tarcísio dos Santos, ao governo de São Paulo, e o ex-chefe da pasta do Meio Ambiente, Ricardo Salles, ao Senado. As informações são da Folha de S. Paulo.

A candidatura do ministro da Infraestrutura já conta com o aval do presidente do PL. Tarcísio, porém, é quem ainda resiste à ideia. 

Salles, por sua vez, já teria aceitado a empreitada, com a condição de que Tarcísio aceite concorrer ao governo de São Paulo. Caso contrário, o ex-ministro do Meio Ambiente prefere se lançar à Câmara dos Deputados.

Bolsonaro não abre mão de ter um palanque forte em São Paulo — estado considerado ‘chave’ para a reeleição do chefe do Executivo. Tarcísio, no entanto, estaria mais disposto a concorrer ao Senado por Mato Grosso ou Goiás, estados onde acredita ter maior viabilidade eleitoral.


Leia Também

Impasses

Apesar de ter aceitado as exigências de Bolsonaro, interlocutores acreditam que Valdemar da Costa Neto seguirá trabalhando pela candidatura de Rodrigo Garcia (PSDB), atual vice de Doria, ao governo de São Paulo.

O acordo entre os dois já estava feito antes de Bolsonaro se aproximar do partido.

Em Goiás, Bolsonaro deseja ter o deputado Major Vitor Hugo (PSL) como candidato ao governo. O PL, porém, quer apoiar o prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha, que recentemente deixou o MDB.



COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Política

‘Um salto para os evangélicos’, diz Mendonça após aprovação para o STF

Publicados

em

Por


source
André Mendonça
Reprodução: Senado Federal

André Mendonça

Aprovado no Senado para a vaga de ministro no Supremo Tribunal Federal (STF) , André Mendonça disse que a primeira coisa que fez foi agradecer a Deus. Evangélico, ele anunciou que sua aprovação significa um grande passo para a comunidade evangélica.

— É um passo para um homem, um salto para os evangélicos (…) Dei glória a Deus por essa vitória — afirmou, em entrevista à imprensa.

A fala pode ser interpretada como uma referência à frase “Um pequeno passo para um homem, um grande salto para a humanidade”, dita por Neil Armstrong ao pisar na lua, em 20 de julho de 1969.

No primeiro pronunciamento, Mendonça também agradeceu ao presidente Jair Bolsonaro pela indicação, ao Senado pela conclusão da votação, tanto na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) quanto no plenário, e listou nomes de políticos evangélicos que o apoiaram no Senado. Entre eles estão o presidente da Frente Parlamentar Evangélica, Cezinha da Madureira (PSD-SP), a relatora da sabatina, Eliziane Gama (Cidadania-MA), e o senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO).

Leia Também:  Dilma desidrata ajuste fiscal e enfraquece Levy

Leia Também

— Foi um processo longo, difícil, mas de muito aprendizado — disse Mendonça, que deixou o cargo de ministro da Advocacia-Geral da União (AGU) para angariar votos para a sabatina.

Conhecido como “terrivelmente evangélico” ministro aprovado fez um grande aceno ao grupo:

— Nós queremos dizer ao povo brasileiro que o povo evangélico tem ajudado esse país e que quer continuar ajudando esse país, trabalhar por esse país e fazer desse país uma grande nação, fazer da Justiça brasileira uma referência, fazer com essa realidade se concretize cada dia mais e, ao final, dar esperança ao nosso povo.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA