CUIABÁ

Saúde

Estado do Rio registra 16 mil casos de covid-19 em 24 horas

Publicado em

Saúde


O estado do Rio de Janeiro registrou nas últimas 24 horas mais 16.117 casos confirmados de covid-19. É um novo recorde no ano. Até então, o maior número de casos neste início de 2022 tinha sido registrado ontem (13), quando houve 12.837 ocorrências.

Os dados do cenário epidemiológico da pandemia no estado são disponibilizados em painel online mantido pelo governo fluminense. Ele é atualizado sempre às 17h. Além de registrar o recorde, os números desta sexta-feira (14) revelam um aumento nas hospitalizações. A taxa de ocupação dos leitos de enfermaria está em 29,3% e a de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) exclusiva para tratamento da covid-19 está em 25,2%. Esses percentuais mais que dobraram em dois dias.

O painel mostra ainda que mais nove pessoas morreram por complicações decorrentes da covid-19. Desde o início da pandemia, em março de 2020, 69,5 mil pessoas foram a óbito no estado. Em 2022, são 107 vítimas que não resistiram.

O avanço dos casos no estado do Rio, como em todo o país, é atribuído à disseminação da variante Ômicron. Especialistas apontam que ela é mais transmissível.

Leia Também:  Covid-19: Fiocruz recebe mais 2 milhões de doses na próxima semana

Diante do alto número de contaminados, incluindo médicos, sistemas de saúde em países europeus onde a Ômicron já vinha se alastrando desde novembro enfrentam dificuldades. Na Espanha, Reino Unido e Itália, os hospitais estão sobrecarregados. Nos Estados Unidos, recordes de hospitalização também têm sido registrados, superando números de janeiro do ano passado.

No entanto, especialistas têm apontado que, proporcionalmente, o volume de infectados que precisam de hospitalização tem sido inferior ao registrado nas ondas anteriores. Há consenso na comunidade científica de que a vacinação tem contribuído significativamente para impedir casos graves. Uma pesquisa da Universidade de Cambridge, divulgada há duas semanas, apontou que a chance de evitar uma internação é 81% maior para quem tem pelo menos duas doses da vacina.

Na capital fluminense, a Secretaria Municipal de Saúde divulgou há dois dias um balanço das hospitalizações. Conforme os dados apurados pela pasta, entre os pacientes atualmente internados por covid-19 na rede da cidade atrelada ao Sistema Único de Saúde (SUS), cerca de 90% não têm o esquema vacinal completo (incluindo a terceira dose) e aproximadamente 38% não tomaram nenhuma dose.

Leia Também:  Cuidados paliativos: Os erros e mitos no tratamento de doenças graves no Brasil

Capital fluminense

Números do painel da cidade do Rio de Janeiro indicam um avanço impressionante da variante Ômicron. Já são 60.616 novas ocorrências em 2022. Significa que em apenas 14 dias, foram registrados 21,2% do total de casos observados em todo o ano de 2021. No ano passado, o município confirmou 285.610 infecções.

O número de óbitos, no entanto, não acompanha essa relação. Até agora, foram contabilizadas sete mortes em 2022, o que representa apenas 0,043% do registrado ao longo do ano de 2021.

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Saúde

Covid-19: RJ retoma calendário de vacinação infantil amanhã

Publicados

em

Por


O município do Rio de Janeiro recebeu ontem (24) 100 mil doses da vacina CoronaVac contra a covid-19. Com isso, o calendário de vacinação das crianças poderá ser retomado a partir de amanhã (26).

A CoronaVac, fabricada no Brasil pelo Instituto Butantan, em parceria com o laboratório chinês Sinovac, foi aprovada na semana passada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a aplicação em crianças a partir dos 6 anos de idade. A fórmula e a dosagem pediátricas são as mesmas utilizadas nos adultos.

Hoje, ocorre a repescagem para as crianças de 11 anos e amanhã serão vacinadas meninas e meninos de 10 anos. Na quinta-feira (27), será a vez das crianças de 9 anos e na sexta-feira e no sábado podem ser levadas aos postos as de 8 anos.

A partir da próxima semana, volta o esquema de um dia para meninas, outro para meninos e o terceiro para a repescagem, em idade decrescente, terminando o cronograma no dia 9 de fevereiro com a repescagem para crianças a partir dos 5 anos de idade.

Crianças de 5 a 11 anos com deficiência ou comorbidades podem ser levada aos postos em qualquer dia, independente do calendário por idade.

Leia Também:  Covid-19: Fiocruz recebe mais 2 milhões de doses na próxima semana

Pfizer

Um novo carregamento das vacinas pediátricas da Pfizer chegou ontem ao Brasil, com 1,8 milhões de doses. Segundo o Ministério da Saúde, com isso, o país chega a 4,3 milhões de doses pediátricas da fabricante norte-americana, que tem formulação e dosagem destinadas às crianças de 5 a 11 anos diferentes da aplicação dos adultos e adolescentes maiores de 12 anos.

O ministério estima que cerca de 100 mil crianças na faixa etária já tenham recebido a primeira dose da imunização contra a covid-19. O painel da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro indica que na cidade já foram vacinadas 44 mil crianças de 5 a 11 anos.

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA