CUIABÁ

Tribunal Superior Eleitoral

Taxa de ocupação das UTIs para pacientes com Covid-19 está em 86,99%

Publicado em

Tribunal Superior Eleitoral

Portalmatogrosso

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde desta terça-feira (28.07), 47.045 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 1.700 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado e 36 mortes nas últimas 24 horas.

Foram registradas cerca de 1.890 novas confirmações de coronavírus no Estado. Dos 47.045 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 17.702 estão em monitoramento e 27.643 estão recuperados.

Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 302 internações em UTIs públicas e 328 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 86,99% para UTIs adulto e em 40,15% para enfermarias adulto.

A área técnica esclarece que houve um erro de digitação no Boletim e o número de leitos de UTIs pactuados na gestão estadual é 153 e não 154, como está publicado na primeira página do documento. A informação será retificada no próximo Boletim.

Dentre os dez municípios com maior número de casos de Covid-19, estão Cuiabá (10.426), Várzea Grande (3.706), Rondonópolis (3.066), Lucas do Rio Verde (2.663), Tangará da Serra (1.953), Sorriso (1.817), Sinop (1.710), Primavera do Leste (1.670), Nova Mutum (1.352) e Pontes e Lacerda (892).

Leia Também:  Justiça mantém a suspensão do aumento da taxa de esgoto

A lista detalhada com todas as cidades que já registraram casos da Covid-19 em Mato Grosso pode ser acessada no Boletim anexado ao final desta matéria.

O documento ainda aponta que um total de 44.194 amostras já foram avaliadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam cerca 2.536 amostras em análise laboratorial.

Os pacientes são devidamente acompanhados pelas equipes de Vigilância Epidemiológica do Estado e dos municípios. Mais informações estão detalhadas na Nota Informativa divulgada diariamente pela SES disponível neste link, a partir das 17h.

Cenário nacional

Nesta terça-feira (28), o Governo Federal confirmou 2.483.191 casos da Covid-19 no Brasil e 88.539 óbitos oriundos da doença. No levantamento do dia anterior, o país contabilizava 87.618 óbitos e 2.442.375 casos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus.

Recomendações

Atualmente, não existe vacina para prevenir a infecção pelo novo coronavírus. A melhor maneira de prevenir a infecção é evitar ser exposto ao vírus. Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca do novo coronavírus. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde.

Leia Também:  TSE recebe consulta do governo e decide convocar reunião para discutir plebiscito

O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo coronavírus. Entre as medidas estão:

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;

– Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;

– Evitar contato próximo com pessoas doentes;

– Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;

– Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Tribunal Superior Eleitoral

TSE aponta que 8 candidatos ao Senado em MT estouraram limite de gastos

Publicados

em

Folhamax

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aponta que dos 11 candidatos ao Senado nas eleições suplementares de Mato Grosso em 2020, apenas 3 não “estouraram” o limite de gastos na campanha estabelecida pela própria legislação eleitoral, que é de R$ 3 milhões.

De acordo com informações de um portal do TSE que informa os recursos recebidos e os gastos realizados dos candidatos nas eleições de 2020, apenas Valdir Barranco (PT), Feliciano Azunaga (Novo) e o Procurador Mauro (PSOL) não ultrapassaram o limite de R$ 3 milhões de gastos de campanha.

 

O ex-deputado federal e candidato ao Senado por Mato Grosso nas eleições suplementares de 2020, Nilson Leitão (PSDB), puxa a fila dos “gastões”. Ele declarou ter recebido R$ 11 milhões em doações além de informar que contratou despesas de R$ 11,9 milhões. Desse total, só R$ 5,4 milhões foram pagas.

O vencedor da eleição ao Senado, Carlos Fávaro (PSD), ficou na vice-liderança quando o assunto são gastos contratados durante a campanha, com R$ 10,9 milhões a pagar para fornecedores. Ele alega ter recebido R$ 11,7 milhões e já pagou R$ 5,5 milhões.

Leia Também:  TSE identifica 15,6 mil suspeitas de fraudes em títulos de eleitor

O advogado Euclides Ribeiro (Avante) ultrapassou o limite de gastos na campanha, contratando R$ 10,3 milhões em despesas. Ele obteve 58.455 votos, ficando em antepenúltimo lugar no pleito.

Nesse sentido, sobre “otimização” de recursos em razão do número de votos, o Procurador Mauro é o vencedor. Ele recebeu em doações R$ 544,8 mil e contratou gastos de R$ 420 mil, obtendo 97.573 votos – assim, cada voto lhe “custou” apenas R$ 4,3.

A Coronel Fernanda (Patriota), apoiada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), contratou gastos de R$ 8,2 milhões tendo recebido R$ 6,3 milhões em doações. Ele ficou em segundo lugar nas eleições, obtendo 293.362 votos.

Já o ex-governador Pedro Taques (Solidariedade) contratou R$ 3,6 milhões em serviços para sua campanha, e recebeu de doações R$ 2,9 milhões. Ele, que já foi senador da República, alcançou 71.368 votos.

De acordo com o TSE os candidatos que ultrapassaram o limite de gastos nas eleições estão sujeitos ao pagamento de multa e responderem na justiça por abuso de poder econômico. Vale lembrar que a juíza aposentada, Selma Arruda (Podemos-MT), foi cassada em dezembro de 2019 justamente por abuso de poder econômico após ser eleita em 2018.

Leia Também:  Prefeitos deverão cobrar revisão das tarifas do transporte coletivo

Confira abaixo a tabela com os candidatos das eleições suplementares de Mato Grosso, os recursos recebidos em campanha, os gastos contratados, além das despesas que já foram pagas.     

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA